As Sete Alianças

As Sete Alianças

 

 

alianças

 

 AS SETE ALIANÇAS

Introdução

 

A BASE DA ALIANÇA - COMUNHÃO COM DEUS

 

     Deus é um Deus de Alianças. Através da Bíblia, através de sua história de relacionamento com o homem, Deus fez sete alianças. Para conhecer o plano de Deus, precisamos conhecer suas alianças. Para entender a aliança que está em vigor atualmente, precisamos entender as alianças passadas e o caminho que foi percorrido até aqui no relacionamento entre Deus e o homem. Para conhecer a natureza de Deus é essencial ver como e em que condições Ele faz as alianças com o homem. Deste modo estaremos mais preparados para andar com Deus hoje, entrar em aliança com Ele e nos encaixar no ser plano.

     Aliança é um compromisso firmado entre duas ou mais pessoas. Mas antes de estabelecer um compromisso, é preciso conhecer o outro. Um exemplo clássico é o casamento. É perigoso se comprometer antes de se conhecerem! Portanto, antes de falarmos sobre as alianças de Deus com o homem se faz necessário falar sobre comunhão.

 

DOIS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

 

Em primeiro lugar quero apresentar dois princípios. Um se chama "o escândalo de particularidade". Isto significa que a maneira como Deus age é um escândalo para o homem natural. Deus faz tudo através de relacionamentos pessoais. É assim que Ele tem desenvolvido todo o seu plano até agora, e é assim que Ele o consumará. O homem ao contrário, quer entender tudo através de leis e princípios impessoais. Tudo que o homem realiza e edifica é através de conhecimentos, de descobrir e aplicar leis naturais. Se ele consegue entender como algo funciona, que chave ou princípio o governa, então ele pode trabalhar e usá-lo para seus objetivos.

Deus, porém, é uma pessoa e não podemos descobrir os princípios impessoais ou científicos que o fazem funcionar. Ele não é uma influência misteriosa, Ele é uma pessoa com uma personalidade definida. Fomos criados na imagem dele e por isto também somos pessoas e temos personalidades definidas. Deus não começa com leis ou princípios abstratos para desenvolver o seu plano. Ele começa com encontros pessoais e por meio deles o seu plano neste mundo é idealizado. Isto é um escândalo para a mente natural.

Jesus foi o maior escândalo de particularidade. Se o homem tentasse resolver a situação de toda a humanidade, ele jamais teria feito assim. Ele procuraria uma lei, uma filosofia para solucionar todos os problemas de pecado e rebeldia do mundo. Mas Deus veio para o mundo na pessoa de um homem, nascido de virgem, de carne e osso, que viveu neste mundo sujeito a todas as leis e limitações naturais. Ele deu a sua vida e esta vida é a solução para todo o pecado e para todos os homens. Ele mostrou o relacionamento perfeito com Deus e através dele nós também podemos nos encontrar com Deus. Assim todo o plano de Deus se fundamenta no relacionamento pessoal que ele tem com os homens.

Visto dessa forma, cada homem em comunhão com Deus possui um potencial infinito de criatividade divina. Não é uma questão de capacidade pessoal, mas do potencial que existe na comunhão e relacionamento com Deus. Deus é infinito, e através de um encontro Dele co o homem toda a história do mundo pode ser mudada. Por esta razão cada ser humano tem um potencial infinito para fazer a vontade de Deus na terra. Não há limitações daquilo que pode surgir de um encontro pessoal entre uma pessoa e Deus, pois como vimos é assim que Ele realiza seu plano na terra.

O método humano baseia-se na lógica indutiva, ou seja, tira-se conclusões gerais a partir de fatos ou observações individuais. Usando os cinco sentidos, o homem descobre o que está no mundo e deduz como o universo e os seres vivos funcionam. Este é o método científico. Primeiro fatos, depois conclusões.

O processo oposto chama-se lógica dedutiva, ou seja, é quando os fatos individuais são interpretados à luz dos princípios gerais já aceitos como verdadeiros. Ao invés de partir dos fatos para formar uma visão como na indução, a dedução começa com a visão já formada e interpreta os fatos baseados nela.

Deus criou o mundo partindo de uma palavra já existente. Esta palavra, com sabemos, é uma pessoa (Jo 1:1-3). todos os fatos e circunstâncias da criação podem ser entendidos à luz dessa palavra, pois foi ela que os criou. Portanto, para entender a criação e para conhecer a verdade, devemos usar o método dedutivo. Os cientistas começam com o visual, com, o particular, para chegar à verdade e aos princípios gerais. Acontece que nem eles conseguem aplicar perfeitamente o método indutivo, pois todo homem tem preconceitos e pressuposições que influenciam suas observações e conclusões. Mas mesmo depois de observar todos os fatos e descobrir muitos princípios e leis de criação, os cientistas nunca chegam ao conhecimento de Deus.

Na história do mundo, homens deram suas vidas a fim de descobrir novos horizontes, erradicar doenças, e fazer descobertas em prol da humanidade. fizeram isso usando o método indutivo. Quando o homem natural usa método dedutivo, ele pode ser facilmente levado ao erro porque parte das filosofias ou pressuposições erradas. A ciência desmentiu muitas supertições e enganos da antiguidade provando pelo método indutivo que as conclusões eram erradas. Ma há algo muito além do método indutivo. É a partir da revelação da Palavra de Deus que nos leva a verdade de si. Assim partimos de uma visão completa e verdadeira. A indução leva a conclusões individuais incorretas, mas nunca pode mostrar o quadro total da verdade.