O Judeu e Jerusalém

O Judeu e Jerusalém

 

 

O judeu e Jerusalém “Assim diz o Senhor: Voltarei para Sião, e habitarei no meio de Jerusalém; e Jerusalém chamar-se-á a cidade da verdade, e o monte do Senhor dos Exércitos o monte de Santidade" (Zc 8.3). O povo judeu tem um destaque especial na história e nas profecias das Sagradas Escrituras, de modo que qualquer pessoa que estude com sinceridade a Palavra de Deus ficará ao lado deste povo. "...eis que este povo habitará só, e entre as gentes não será contado" (Nm 23.9b). A origem está em Gênesis, capítulo 12, quando Deus chamou Abraão. Dali até o fim do livro a narrativa se ocupa com os descendentes de Abraão: Isaque, Jacó e seus filhos. Nos quatro livros seguintes, é a obra de Moisés à frente do povo de Israel. Continua o povo judeu com Josué, os juizes, o reino, o cativeiro dos judeus, e, se aparece outra nação, é mencionada por causa de sua relação com o povo de Israel. O tema das profecias é o mesmo povo - todos os profetas eram judeus, e as mensagens, com pequenas excessões, são dirigidas a Israel. Na chamada de Abraão, Deus prometeu que sua descendência seria uma grande nação; e que seriam abençoados os que a abençoassem e amaldiçoados os que a amaldiçoassem (ver Gn 12.1-3). Também foi prometido por Deus que a terra de Canaã seria da semente de Abraão para sempre. "E te darei a ti, e à tua semente depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão, e ser-lhes-ei o seu Deus" (Gn 17.8). “Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel..." (Nm 23.23a). Ainda aparecem nos profetas referências a um futuro glorioso para o povo de Israel. Além de todos os profetas tratarem deste assunto, na epístola de Paulo aos Romanos, capítulo 11, aparece a distinção entre a Igreja de Jesus Cristo e os restantes de Israel (Rm 9.27) que hão de formar o Reino de Jesus Cristo, após o arrebata-mento da Igreja (1 Ts 4.13-17), quando for destruído o Anticristo (Ap 19.11-21). A influência dos judeus é muito significativa, pois foram eles que nos transmitiram as Escrituras do Velho Testamento: "...Primei¬ramente, as palavras de Deus lhes foram confiadas" (Rm 3.2). Jesus declarou: "...a salvação vem dos judeus" (Jo 4.22b). Jesus era judeu, e os apóstolos também. Deus considerou Israel como seu próprio povo. "E eu vos tomarei por meu povo, e serei vosso Deus..." (Êx 6.7). "...Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende" (Is 1.3). E promete sua proteção de um modo bem expressivo, ao afirmar que quem persegue Israel, toca na menina do seu olho (Zc 2.8). Estudando as referências bíblicas ao povo de Israel e à terra da Palestina, podemos encontrar muitas evidências da inspiração do livro de Deus. Para despertar a atenção, achamos mais interessante fazer primeiro um estudo sobre Jerusalém, a capital de Israel. Jerusalém, Centro do Mundo Jerusalém está no centro geográfico das nações da terra. Ocupa também um lugar central na história bíblica. É um tema bem saliente na mensagem dos profetas e nas profecias ainda não cumpridas. Foi ainda o berço do Cristianismo, o lugar onde se formou a Igreja de Jesus Cristo. Os nomes Jerusalém quer dizer: “Habitação da Paz". Salém - paz - Era onde reinava Melquisedeque (Gn 14). E identificada como Jerusalém em Salmo 76.2. Sião - Salmo 87.1 - Era uma das colinas onde está edificada Jerusalém - chamada "Sião monte Santo" (SI 9.11; 76.2; Is 8.18) muitas vezes tem o sentido de toda a Jerusalém. Jebus - (Jz 19.10) - "Lugar que é pisado" Ariel (Is 29.1) - "Leão de Deus" Lareira de Deus - (Is 29.1). [ARA] Cidade de Justiça - (Is 1.26). Cidade de Davi - (2 Sm 5.7) - (Belém também era a cidade de Davi - Lc 2.11). Cidade Fiel-(Is 1.26). Como tipo da Igreja tem ainda estes títulos: Jerusalém Celestial (Hb 12.22). Cidade do Deus Vivo (Hb 12.22). Jerusalém que é lá de cima (Gl 4.26). Cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus(ml 1.10). Santa Cidade, Nova Jerusalém (Is 48.2; Ap 21.2). Posição Geográfica Jerusalém fica no centro de Canaã, na linha divisória entre a região do rio Jordão e a costa do Mediterrâneo. É protegida ao oeste por montanhas, ao sul pelo deserto montanhoso, e circundada por vales profundos, possui uma posição natural quase inexpugnável. O local era ideal na antigüidade para uma cidade murada. Era um ponto chave para a difusão das bênçãos de Deus para as outras nações. A cidade foi construída sobre quatro colinas: Sião, Acra, Moriá e Bezeta. Sião era o monte mais alto, foi a antiga fortaleza dos jebuseus, e ficava ao sudoeste da cidade. Ao norte de Sião ficava Acra. A parte da cidade sobre Acra era chamada cidade de baixo, e a parte sobre Sião, cidade de cima. Moriá ficava a leste de Acra, foi o lugar onde Isaque foi levado para ser sacrificado (Gn 22.2). Era ali a eira de Araúna ou Orna, o jebuseu (2 Sm 24.16-25), onde foi edificado o Templo de Salomão (2 Cr 3.1). Bezeta, ao norte de Moriá, foi anexada à cidade pelo rei Agripa, o que julgou Paulo (At 26). O vale de Josafá cerca Jerusalém por três lados, e por ele corre o ribeiro de Cedrom para o Oriente. O vale de Hinom fica ao sul e oeste. Ao sul do vale de Hinon, ficava o campo do Oleiro ou Campo de Sangue (Mt 27.3-8). A leste de Jerusalém, passando o vale de Josafá, fica o monte das Oliveiras, lugar bem destacado nos Evangelhos. Por mais de três mil anos, o vale de Josafá tem sido cemitério. Ali foram sepultados muitos milhares de cristãos, judeus e maometanos, nos dois lados do ribeiro de Cedrom. Examinando-se qualquer planisfério, nota-se que Jerusalém divide a população do mundo em dois grupos mais aproximados do que qualquer outra cidade. Foi determinação de Deus: "Assim diz o Senhor Jeová: Esta é Jerusalém; pu-la no meio das nações e terras que estão ao redor dela'' (Ez 5.5). Quanto à divisão de terras, o meridiano da Grande Pirâmide é que melhor divide o mundo em duas partes, mas quanto aos povos, Jerusalém é que fica mesmo no meio. História Antes da chamada de Abraão, já estava lá Melquisedeque, sacerdote do Deus Altíssimo e rei de Salém, que é a mesma Jerusalém (SI 76.2). O nome Jerusalém aparece pela primeira vez na Bíblia em Josué 10.1, onde reinava Adoni-Zedeque, que se uniu a outros quatro para lutarem contra Josué (vv 3 a 5,10,11,26,27). O Senhor lançou grandes pedras contra eles, e foram vencidos. Quando Josué repartiu as terras entre as tribos, Jerusalém ficou na herança de Judá, porém os filhos de Judá não puderam expulsar os jebuseus de Jerusalém (Js 15.63). Permaneceu com os jebuseus, e era chamada por eles Jebus (Jz 19.10). Davi, chegando ao reino, tomou Jerusalém dos jebuseus (2 Sm 5.6-9), vencendo-os na fortaleza de Sião. Dali em diante, Jerusalém ficou sendo a capital de Israel até hoje. O neto de Davi, Roboão, não soube atender ao povo, e causou uma divisão no reino de Judá, e continuou em Jerusalém. Quase 500 anos depois, em 586 a.C. Nabucodonosor destruiu Jerusalém e levou o restante do povo cativo para Babilônia. No tempo de Ciro, os judeus voltaram, e sob a liderança de Esdras e Neemias, reconstruíram o muro e o Templo. Jerusalém continuou como capital, mas Israel era colônia do Império medo-persa. Depois os gregos venceram e dominaram o mundo. Em seguida os romanos subjugaram os gregos e ficaram na liderança. Israel, como colônia, foi passando de um para outro domínio. Quando Jesus veio, os judeus o rejeitaram, condenaram-no à morte na cruz. Veio o castigo quando o exército romano, comandado por Tito, no ano 70 d.C. destruiu totalmente a cidade de Jerusalém, massacrou a população, e o que restou foi disperso pelo mundo. Entre 70 d.C. e o ano de 1917, Jerusalém foi reconstruída, cercada, atacada e destruída muitas vezes. No Salmo 83, versículo 4, há uma expressão que tem sido em várias ocasiões o pensamento dos inimigos de Israel, que marcham para destruí-lo, esquecidos de que Deus o ampara. "...Vinde, e desarraiguemo-los para que não sejam nação, nem haja mais memória do nome de Israel" (SI 83.4). Faraó, no tempo de Moisés procurou destruir aquele povo, mandando lançar no rio os meninos recém-nascidos, mas Israel saiu do Egito vitorioso para ir adorar o seu Deus (Êx 1.9-22; 14.21-23). Hamã conseguiu que o rei Assuero assinasse um decreto, mandando exterminar todos os judeus. Na data marcada para o massacre, os inimigos foram mortos, e os judeus se apossaram de suas riquezas (Et 3 a 7). Em Edom, o povo descendente de Esaú (Gn 36.1) usou de violência contra os israelitas, quando os babilônios tomaram Jerusalém. Ajudavam os babilônios, alegravam-se com a humi¬lhação de Israel, exterminavam os que escapavam ou os que se entregavam aos inimigos (Ob, vv 10 a 14). O Senhor pronunciou a sentença contra Edom: "Serás exter¬minado para sempre" e "ninguém mais restará da casa de Esaú" (Ob, vv l0 e l8). No tempo de Jesus Cristo, os restantes dos edomitas eram chamados idumeus, e estavam juntos com os judeus. Depois da destruição de Jerusalém pelos romanos, desapareceram para sempre da história, enquanto os judeus vão em progresso. Neste século já apareceu algumas vezes a idéia do Salmo 83.4, animando os povos do Oriente Médio a marchar contra Israel. A história do povo judeu mostra que Deus realmente protege os descendentes de Abraão. Permaneceu a nação israelita durante quase dois mil anos, da destruição de Jerusalém em 70 d.C. até 1948, sem pátria, sem exército e sem organização, espalhada por todo o mundo, e sobreviveu a ponto de se estabelecer como nação. Só a intervenção divina poderia realizar isto. Jerusalém já foi atacada militarmente ou destruída 44 vezes e permanece viva e progressista. É que o próprio Deus a chama de "minha cidade" (Is 45.13b). Jerusalém nas Profecias Na promessa de Deus a Abraão foi dito que aquela terra seria de sua descendência para sempre (Gn 13.13-16). Uma descendência é terrestre como o pó da terra (Gn 13.14-18); e outra celestial como as estrelas do céu (Gn 15.4,6). "...os que são da fé são filhos de Abraão" (Gl 3.7). Daí por diante, Deus considera aquela terra possessão dos israelitas. Também foi feito por Deus um concerto com Davi acerca do reino, dizendo: "Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será firme para sempre" (2 Sm 7.16). Quando o povo caiu na idolatria, apesar de tantos avisos proféticos, Deus disse por intermédio de Jeremias: "E farei de Jerusalém montões de pedras, morada de dragões, e das cidades de Judá farei uma assolação, de sorte que fiquem desabitadas" (Jr 9.11). Esta profecia foi cumprida literalmente quando o exército babilônico destruiu Jerusalém (2 Rs 25.9-13; 2 Cr 36.15-21). Pelo mesmo profeta Jeremias, foi dito que pela desobe¬diência viria o castigo, os judeus iriam para Babilônia como servos, mas depois de setenta anos seriam trazidos por Deus para sua terra (Jr 25.9-13). No fim dos setenta anos, o rei Ciro ordenou a volta dos judeus para reedificarem a cidade e o Templo (2 Cr 36.23; Ed 1.2,3). Na vinda de Jesus Cristo, os judeus não o receberam (Jo 1.11), não quiseram a proteção do Salvador (Mt 23.37); disseram: "Não temos rei, senão o César" (Jo 19.15c). Quando Pilatos apresentou Jesus com Barrabás para ser solto um dos dois, pediram que soltassem Barrabás e crucificassem Jesus (Mt 27.16-26). Jesus fez várias predições para os judeus, "...vossa casa vai ficar-vos deserta" (Mt 23.38). Acerca do Templo: "Não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada" (Mt 24.2b). E acerca de Jerusalém: "Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação. E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos: e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se com¬pletem " (Lc 21.20 e 24). Quando o exército de Tito tomou Jerusalém, apareceu entre seus soldados uma lenda, dizendo que havia tesouros debaixo dos alicerces do templo, por isso arrancaram todas as pedras. Este fato é narrado por Flávio Josefo. Cumpriu-se o que Jesus disse: "Não ficará pedra sobre pedra..." (Mt 24.2b). Ainda conta Flávio Josefo que, depois do massacre, os judeus que sobraram foram como cativos para Roma; a maior parte foi levada para a cidade do Cairo e oferecidos na praça pública. Poucos foram comprados, e um grande número não teve comprador. Cumpriu-se outra profecia pronunciada por Moisés: "E o Senhor te fará voltar ao Egito em navios... e ali sereis vendidos por servos e por servas aos vossos inimigos, mas não haverá quem vos compre" (Dt 28.68). Estava predito que o rei entraria em Jerusalém montado num jumento (Zc 9.9). Embora o povo judeu tivesse rejeitado a Jesus, quando Ele entrou na cidade, a multidão aclamou o Rei Bendito, Filho de Davi, que vinha em nome do Senhor (Mt 21.8,9; Mc 11.8-10; Lc 19.37,38). Essas profecias que já se cumpriram são uma evidência de que as outras acerca de Jerusalém e de Israel serão cumpridas literalmente. Para o futuro há as seguintes predições dos profetas: a) A volta dos judeus para sua terra. b) O reino do Senhor em Jerusalém. c) As nações indo a Jerusalém para receberem bênçãos de Deus. d) Jerusalém como um copo de tremor e uma pedra pesada para ferir e despedaçar todos os povos. Deus chama a terra de Israel: "minha terra" e a Jerusalém: “minha cidade''. Seguem alguns versículos que afirmam este fato interessante nos estudos proféticos. “...O Senhor elegeu a Sião; desejou-a para sua habitação..." (Sl 132.13). "...chamar-te-ão a cidade do Senhor, a Sião do Santo de Israel" (Is 60.14c). "Então os arrancarei da minha terra que lhes dei..." (2 Cr 7.20a). "Eu o despertei (Ciro)... e ele edificará minha cidade" (Is 45.13). "...quando nela entrastes, contaminastes a minha terra..."(Jr 2.7b). "...no fim dos dias sucederá que hei de trazer-te contra a minha terra.. ."(Ez 38.16b). A Volta de Israel para sua Terra As passagens bíblicas apresentadas neste assunto são so¬mente algumas, das inumeráveis referências à restauração do povo israelita. Estas dispensam comentário porque são pronunciadas numa linguagem mais clara possível. "...ajuntará os desterrados de Israel, e os dispersos de Judá congregará desde os quatro confins da terra'' (Is 11.12). "...e os farei voltar a esta terra, edificá-los-ei, e não os destruirei; e planta-los-ei, e não os arrancarei" (Jr 24.6b). “E vos tomarei dentre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra'' (Ez 36.24). “E removerei o cativeiro do meu povo Israel... E os plantarei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra'' (Am 9.14,15). "E trá-los-ei, e habitarão no meio de Jerusalém..." (Zc 8.8a). Na volta do cativeiro de Babilônia, não se cumpriram essas profecias. O Senhor reinará em Jerusalém '' ...quando o Senhor dos Exércitos reinar no monte de Sião e em Jerusalém..." (Is 24.23). Quem olhar este versículo apressada¬mente pode pensar que se refere a Jerusalém Celestial. Mas esta aplicação não se harmoniza com as palavras do anjo que anunciou a Maria o nascimento de Jesus. Palavras do anjo acerca de Jesus: "...o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim" (Lc 1.32,33). Davi e Jacó morreram muitos séculos antes. Não existia mais o trono de um nem a casa de outro. Como poderia Jesus Cristo ocupar aqueles lugares na obra da Igreja? A casa de Jacó é a terra que Deus deu por herança eterna aos seus descendentes, o povo de Israel. E o trono de Davi é em Jerusalém, que foi a cidade onde Davi se fortaleceu e manteve o seu trono. Jesus Cristo é descendente de Jacó e de Davi (Mt 1.1-2). O anjo afirmou que o Filho de Deus reinará em Jerusalém, e seu reino não terá fim. Entre as outras profecias confirmando o ponto referido, basta citar mais uma, de Zacarias, "...de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano, para adorarem o Rei, o Senhor dos Exércitos..." (Zc 14.16). Jerusalém Pedra Pesada "Eis que porei a Jerusalém como um copo de tremor para todos os povos em redor... E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que carregarem com ela certamente serão despedaçados..." (Zc 12.2,3). Todos os países que perseguiram os judeus têm sofrido conseqüências bem penosas. Os exemplos mais conhecidos são: Espanha, Portugal e Alemanha. Parece atualmente que todo mundo vive interessado no destino de Jerusalém. Muitas nações dedicam grande atenção à Palestina, por causa das grandes riquezas que existem ali. Os minérios existentes no mar Morto e no solo da Palestina são avaliados em trilhões de cruzados. Tornou-se assim uma região cobiçada. Os árabes, egípcios, ingleses, russos, americanos e outros povos procuram algum meio de tirar proveito, ou se apossarem dos tesouros da terra de Israel. Como seus pensamentos são de ambição material, esquecem-se de que Deus disse: "farei de Jerusalém uma pedra pesada" (Zc 12.3a). Todos os que pensaram em dirigi-la, militar ou politicamente, feriram as mãos e a cabeça. “O copo'' faz ficar tonto; e "a pedra'' machuca. Em 1917, a 11 de dezembro, o exército inglês, comandado pelo general Allenby, tomou Jerusalém do poder dos turcos, e a Terra Santa ficou sob o protetorado inglês. Os judeus tiveram mais facilidade para voltar à sua terra, e foram comprando terrenos e se estabelecendo por lá. A Inglaterra pensava em tirar proveito mate¬rial nesta posição. Surgiram problemas, e o Império Britânico, não podendo resolver, entregou a direção à Organização das Nações Unidas (ONU). A pedra pesada feriu as mãos dos ingleses. Nas reuniões da ONU, foi Israel o assunto que gastou mais tempo, mais papel, mais tinta e mais energia. Em 1947 foi votada uma partilha entre árabes e judeus, que serviu somente para agravar a situação. A resolução não satisfazia a ninguém. Em 1948, a 14 de maio, foi criado o Estado de Israel, numa Assembléia da ONU, sob a presidência do brasileiro Oswaldo Aranha. Reaparecia a nação do povo de Deus. Em 1949 o Estado de Israel foi aceito como membro da ONU, mas o problema não estava resolvido. Ainda em 1949, a ONU resolveu que Jerusalém ficasse como cidade internacionalizada e administrada pela mesma ONU. Em vez de resolver, a situação piorou. A Jordânia ocupava a parte antiga de Jerusalém, e os judeus a parte nova. Nenhum dos dois grupos concordou com isto, e a ONU não tinha forças para executar o que resolveu. A pedra é pesada para todos os povos. Ai de quem se esquece da palavra de Deus! Quatro vezes já houve guerra contra Jerusalém entre 1948 e 1973. Cada vez que o Egito dá o brado de guerra, os povos árabes o acompanham para atacar Israel. Em 1948 foi contra a existência do Estado de Israel; em 1956, para dominar o Canal de Suez; em 1967, foi nestes termos: "Vamos tirar Israel do mapa em vinte e quatro horas". Em 1973, quando no YOM KIPPUR ("dia do perdão" dos judeus) os egípcios atraves¬saram o canal de Suez, e dominaram a defesa de Israel. Todas as quatro vezes, numa situação militar bem inferior, surpreendendo a todos os observadores, Israel venceu.» A guerra mais célebre destas quatro foi a de junho de 1967, porque ocupou mais espaço no noticiário dos jornais e dos rádios. Os árabes e egípcios não se lembravam da predição do Salmo 83.4 e usaram o mesmo pensamento: "Vamos riscar Israel". Jun¬taram-se militarmente onze nações contra uma nação pequena. Eram mais de cem milhões de indivíduos contra menos de três milhões, que era a população dos judeus. Em seis dias, Israel venceu e conquistou terreno, alargando suas fronteiras e apossando-se do território que formava a Palestina no tempo de Jesus Cristo. A pedra era mais pesada do que os homens pensavam. A tensão do Oriente é tão grande que atinge as outras nações. Um missionário armênio, Rev. Samuel Doctorian, informou, em 1974, que, depois de 1967,já haviam se convertido mais de seis mil judeus, e mais de sete mil e quatrocentos foram da Rússia para Israel, apesar das dificuldades. Os judeus dizem: "Jerusalém é nossa". Os árabes dizem: "Lutaremos até tomar Jerusalém"; cristãos e ortodoxos dizem: "Jerusalém é nossa". Continua o ódio entre sírios, egípcios e judeus. As nações mais poderosas vendem armas aos dois lados para tirarem proveito, e agravam a situação. A pedra cada vez pesa mais. Jerusalém, Berço do Cristianismo Diversos acontecimentos relacionados com a redenção da humanidade tiveram lugar em Jerusalém. a) Ali Abraão foi abençoado por Melquisedeque e deu-lhe o dízimo de tudo (Gn 14.19,20; Hb 7.1-7). Jesus Cristo é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque (Hb 5.10). b) Na terra de Moriá, que era uma colina de Jerusalém no tempo dos reis, foi Isaque apresentado para ser sacrificado (Gn 22.1-4). Isaque é tipo de Jesus Cristo. A pergunta do versículo 7: "...onde está o cordeiro...?" foi respondida por João Batista (em Batara, no outro lado do Jordão): “...Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo'' (Jo 1.29b). c)Davi, o rei escolhido por Deus, tomou Jerusalém dos jebuseus e firmou ali o seu trono. Assim reinou em Jerusalém. Jesus Cristo há de reinar no trono de Davi (2 Sm 5.5-7; Lc 1.32). d) O Templo foi construído por Salomão no monte Moriá, em Jerusalém (2 Cr 3.1). O Templo era a casa de Deus, representava sua presença. Nós os crentes somos o Templo de Deus: "...Porque vós sois o templo do Deus vivente..." (2 Co 6.16b). e) Jesus foi crucificado e ressuscitou em Jerusalém. f) Em Jerusalém desceu o Espírito Santo no dia de Pentecoste, produzindo quase três mil conversões num dia. Este acon¬tecimento foi o começo da Igreja. g) Jerusalém vem em primeiro lugar no campo onde os discípulos de Jesus teriam de evangelizar. "...ser-me-eis testemu¬nhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra'' (At 1.8b). Para o mundo político, Jerusalém é a pedra pesada que despedaça as mãos de quem procura se envolver com ela. Para o crente, remido pelo sangue do Cordeiro de Deus, Jerusalém é o tipo da cidade celestial, onde não haverá guerra, nem pecado, nem sofrimento. Tudo ali é paz, gratidão e amor.